Data foi sugerida por mestre e doutor Salomão Becker e oficializada em 1963. “Professor é profissão. Educador é missão”. O autor dessa afirmação é o mestre e doutor Salomão Becker (1922-2006), responsável pela inclusão do Dia dos Professores no calendário escolar, em 1947. Nascido em Piracicaba, Becker foi um apaixonado pelo magistério e lecionou durante 49 anos em diversas escolas estaduais na capital, do Ensino Fundamental ao Ensino Médio. 

A comemoração do Dia dos Professores, celebrada anualmente em 15 de outubro, foi sugerida pelo educador durante uma conversa com outros três colegas professores. O bate-papo no Ginásio Caetano de Campos, na rua Augusta, conhecido na época como “Caetaninho”, girava em torno do longo período letivo do segundo semestre, que ia de 1º de junho a 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias nesse intervalo.

O quarteto, então, teve a ideia de organizar um dia de parada para repor as energias e analisar os rumos do ensino no estado. Becker sugeriu que o encontro acontecesse no dia de 15 de outubro, data em que, na sua cidade natal, professores e alunos se confraternizavam trazendo doces e salgados. A sugestão foi aceita pelos colegas e logo se espalhou por outras escolas paulistas, sendo seguida por outros estados brasileiros. 

O Dia dos Professores foi oficializado nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963.

Da Secretaria da Educação